JOGOS VORAZES, GUERRA DOS TRONOS, TORCIDAS ORGANIZADAS E OUTRAS FEROCIDADES...
28/02/2013 13:18:28


Um marketing feroz está fazendo de tudo para que a violenta história de Hunger Games - no Brasil Jogos Vorazes, seja a nova franquia de sucesso. Como fica a cabeça dos nossos jovens e adolescentes?
Fui ao cinema com minha filha quando da estreia do novo frisson entre os jovens e adolescentes. A sala estava lotada de pessoas de todas as idades. Alguns eram fãs de carteirinha da série de três livros que traz uma analogia moderna e uma crítica social pertinente, mas profundamente violenta, da diferença entre as classes. Confesso que me assustei com o que vi e meu esposo, pois ele também foi, quis sair no meio do filme.
A autora, Suzanne Collins, conta que, após o fim da América do Norte, surge uma nova nação chamada Panem. Esta nação é formada por doze distritos e comandada com mão de ferro pela Capital. Anualmente, com a finalidade de demonstrar o seu poder, a Capital realiza os Jogos Vorazes – um verdadeiro reality show transmitido ao vivo pela televisão. O que torna a atração tão bizarra? São escolhidos um garoto e uma garota com idades entre doze e dezoito anos para competir. Os selecionados devem lutar até a morte até restar apenas um sobrevivente. Para evitar que sua irmã Prim seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece como tributo e participa em lugar da irmã. Ela é do empobrecido Distrito 12 e, junto com ela o garoto Peeta também foi selecionado. Quem vence obtém fama e fortuna. O enredo traz belos atores, uma paisagem interessante e provas muito bem elaboradas, mas a morte de crianças é um tremendo despropósito.
A Game of Thrones é o primeiro livro de uma série épica intitulada “As Crônicas de Gelo e Fogo”. O autor George R.R. Martin venceu alguns prêmios com esta história. No Brasil – Guerra dos Tronos, a série adaptado do livro é transmitida pela tevê paga, no canal HBO. São volumes com mais de 500 páginas, alguns ultrapassam as 800 páginas! No entanto, o elevado número de páginas não tem assustado os leitores, que, vorazmente leiam sobre as batalhas e esperam, como a maioria dos personagens a chegada do inverno. O que chama a atenção é o excesso de nudez, cenas de sexo e a violência exacerbada
Mas, por que estamos falando de filmes e livros violentos? Para incentivar a leitura ou a ida aos cinemas? Não. Talvez a exposição a esta violência em forma de belas artes explique um pouco a violência gratuita que temos visto diariamente em nossos noticiários. A polícia recentemente desbaratou a chamada “Gangue das Louras”, que tem até integrantes de Curitiba. Belas mulheres envolvidas com seus amores marginais (, e por falar nisso, este tipo de relação é incentivada pela música Criminal de Britney Spears). Bombardeados de todos os lados por incentivos culturais agressivos e por um arrojado marketing de guerrilha, como fica a cabeça de nossos jovens e adolescentes? Provavelmente achando que tudo isso é normal. Daí você pode afirmar: mas e a educação, os princípios e os valores que são transmitidos pela família? É verdade. Princípios e valores morais transmitidos por pais e mães estruturados, ancorados por avós amorosos, por famílias participantes e interessadas no desenvolvimento de seus membros de forma saudável formam cidadãos conscientes. Mas, e quando estamos muito ocupados? Que tipo de cidadãos estamos formando?
Trabalhar fora é uma necessidade cada vez maior e o mercado extremamente competitivo nos faz desejar dar o melhor ensino possível aos nossos filhos para que eles estejam preparados para os “hungers games” da vida. No entanto, é preciso investir tempo na relação pais e filhos. É urgente ouvir seus anseios e até mesmo seus devaneios, pois se não os escutarmos outros certamente o farão. É preciso participar de suas jovens vidas: acompanhar os estudos, ir às reuniões da escola, conhecer mais de perto os amigos e até os familiares dos amigos, enfim estar mais próximos de nossos filhos.
J.K, Rowlings e seus sete livros sobre a vida de Harry Potter prestou-nos um serviço: despertou nos jovens a vontade e o hábito de ler, mas o fez por meio de livros que falam sobre a bruxaria, a feitiçaria. Outros grandes nomes vieram, alguns falando de vampiros e lobisomens, outros enfocando a mitologia grega, mas é hora de questionar: por que nossos jovens estão sendo incentivados à violência e a guerra? É muito bom perceber a nova geração devorando livros, no entanto, eles precisam também de livros saudáveis, mais leves e que eles não se devorem, como aconteceu em um fim de semana de março, quando duas torcidas organizadas, escoltadas pela polícia, se engalfinharam em uma verdadeira luta urbana com morte e feridos. Também é preciso observar e coibir bebida e direção, bebida nos estádios que vai gerar ainda mais violência... É tanta atrocidade acontecendo ao mesmo tempo que nos resta a pergunta? Para onde estamos indo? Para onde caminha a humanidade?
Há dois mil anos o Filho de Deus, despojou-se de sua glória, fez-se homem e veio a Terra ensinar-nos a amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Esse homem estudava, dedicava tempo aprendendo as Escrituras Sagradas, trabalhava em uma profissão simples, considerada humilde, mas muito útil. Ele não ficou vagando pelas ruas da Galileia. Ele capacitou doze homens para dar continuidade à sua Obra e deixou-nos ensinamentos valiosos – princípios e valores que norteiam vidas. Esse homem é JESUS. Ele morreu. Ele foi crucificado por seus violentos opositores, mas ele RESSUSCITOU e seu convite hoje é: “Vinde a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados e eu os aliviarei”. Jesus quer cuidar de você. Ele quer fazer de sua vida, uma nova vida. Aceite-o e deixe de lado as guerras dos tronos, os jogos vorazes e outras ferocidades e encontre a PAZ, que é o próprio Jesus Cristo.
Priscila R. Aguiar Laranjeira