Confusão e atraso marcam abertura de propostas para o Maracanã
11/04/2013 13:40:21

Após tumulto e confusão, os dois consórcios que estão aptos a participar da licitação do Complexo Esportivo do Maracanã foram definidos na manhã desta quinta-feira (11). A entrega dos envelopes ocorreu no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio, sede do Governo do estado.
O primeiro licitante a entregar a proposta foi o Consórcio Maracanã S.A, composto pela Odebrecht Participações e Investimentos S/A, IMX Venues e Arenas S.A. e AEG Administração de Estádios do Brasil Ltda. O segundo licitante é o Consórcio Complexo Esportivo e Cultural do Rio, composto pela Construtora OAS S/A, Estádio Amsterdã N.V. e Lagardère Unlimited.
saiba mais
GALERIA: Veja fotos do protesto
Grupo faz ato contra a entrega do Maracanã para a iniciativa privada
Parque Aquático Júlio Delamare, no Rio, será desocupado até 1º de abril
Empresa que vai gerir o estádio do Maracanã será definida em 11 de abril
Por volta das 12h30, o presidente da Comissão de Licitação, Luís Roberto Silveira Leite, informou que surgiu uma dúvida em relação ao entendimento do edital e que a assessoria jurídica foi acionada. Ainda segundo ele, apenas após essa análise será possível definir se haverá alguma mudança no que havia sido definido.
A entrega dos envelopes foi atrasada em cerca de uma hora e 20 minutos devido a uma confusão. Um grupo de deputados estaduais chegou ao local pedindo que representantes da população entrassem para acompanhar a negociação, que estava fechada ao público. Cerca de 300 pessoas estiveram na porta do Palácio Guanabana, de acordo com a Polícia Militar. A abertura dos envelopes estavam previstas, inicialmente, para as 10h.

Tumulto
A confusão do lado de fora acabou se repetindo dentro do Palácio, quando uma comissão de deputados estaduais impediu a leitura das propostas. "A polícia está proibindo a entrada das pessoas. Isso é ilegal. O modelo é aberto ao público", contestou o deputado Marcelo Freixo, do PSOL.
Os deputados saíram até o protesto do lado de fora e, quando voltaram, o processo foi retomado.

Ato em frente ao Palácio
"O Governo diz que vai sediar a Copa para o mundo mas está fazendo é para a Fifa", protestou Alex Campanhão, responsável pela distribuição de folhetos dizendo "O Maraca é nosso".
O trânsito na via, sentido Botafogo, estava fechado por volta das 9h50. Nesta quinta, às 10h, as empresas interessadas em participar da licitação entregam as propostas para ingressar no processo que definirá o responsável por administrar o estádio e o seu entorno nos próximos 35 anos.

Na madrugada desta quinta, a presidente do Tribunal de Justiça (TJ), desembargadora Leila Mariano, cassou a liminar do Ministério Público (MP) para suspender o processo de licitação para concessão do Complexo do Maracanã.
A informação foi confirmada pela assessoria do Governo do Estado e confirmada pelo Plantão Judiciário. Na quarta-feira (10), a juíza Roseli Nalin havia concedido a liminar para suspensão do processo de licitação do estádio.
A ação do Ministério Público contra o processo de concessão argumenta que o regime de parceria público-privada proposto não compensa os investimentos públicos realizados pelo estado, que, desde 2005, somam R$ 1,23 bilhão. A concessionária que vencer o projeto será responsável pela demolição do Parque Aquático Julio de Lamare, da Escola Municipal Friedenreich, do Estádio de Atletismo Célio de Barros e do Presídio Evaristo de Moraes.
Os equipamentos, que serão reconstruídos em outros locais, darão lugar a dois edifícios garagem, com capacidade para 2 mil vagas e um heliporto, com um “centro de conveniências” com bares, restaurantes e lojas. Também estão previstos a construção de um museu do futebol e intervenções no Maracanãzinho.
O MP também aponta para falhas na formulação do projeto, que contou apenas com um estudo realizado pela IMX, empresa que estaria diretamente interessada em obter a concessão. O estudo realizado pela empresa prevê um lucro líquido de R$ 1,43 bilhão para a empresa vencedora no período de 35 anos de concessão.
O MP ressalta ainda que as obras previstas para ficar a cargo da concessão não atendem a exigências para a Copa e para as Olimpíadas. “Na verdade, o projeto de transformação do Complexo Maracanãem um “complexo de entretenimento” obedece apenas à lógica de maximizar o aproveitamento do potencial comercial e econômico do empreendimento, e não à adaptação do equipamento público às exigências da FIFA ou do Comitê Olímpico Internacional”, afirma o texto da ação.
Além de não serem motivadas por exigências, as obras devem “atrapalhar” os eventos internacionais, segundo o MP. Uma intervenção prevista para a retirada de uma parte das arquibancadas do Maracanazinho para a colocação de um espaço para servir de palco para eventos musicais reduziria a lotação do ginásio para 9,3 mil pessoas. De acordo com o COI a capacidade do ginásio apresentada na proposta que determinou a escolha do Rio como sede olímpica era de 12 mil lugares. “...é fundamental que a capacidade prevista à época da candidatura seja mantida”, afirma advertência do COI citada pelo MP.

Fonte:http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/04/definidas-empresas-aptas-para-licitacao-do-maracana.html