13 DE MAIO – PARA NÃO REPETIRMOS JAMAIS!
05/03/2013 14:18:58

Velhos fantasmas têm assombrado a velha Europa. A crise financeira e todas as suas terríveis consequências - desemprego, fome, aumento da criminalidade e mortes, trazem de volta fanatismo religioso, simpatia pelo nazismo, reações antissemitas, entre outras. No Brasil, relembramos o 13 de maio, e é preciso manter o que a data significa em mente para não repetirmos o erro de escravizar uma raça.

Todas as matérias sobre beleza falam sobre o aumento das escovas progressivas feitas nos milhares de salões de beleza existentes no Brasil. Cremes inovadores, muitas vezes á base de produtos desaconselháveis á saúde aparecem todos os dias. O “alisar” cabelos, seja pelos métodos antigos ou através das mais modernas técnicas é uma realidade que tem feito a alegria de cabeleireiras. Mas, por que a brasileira, bonita por natureza, tem tanta preocupação em deixar lisos cabelos naturalmente encaracolados? Por causa da ditadura da beleza. Ouvi que na Europa onde a maioria das mulheres é loira e têm cabelos lisos, a moda é ter cabelos volumosos e cheios de cachos. Em nosso país, onde a maioria, devido a miscigenação tem cabelos escuros e cacheados, a moda é ter cabelo louro e liso. O que significa isso? Que há o fator comércio nesta estratégia. Será que, externamente queremos apagar de nossa aparência nossas origens? Não sei, mas faço parte da lista das mulheres que, ao menos duas vezes por ano, investe tempo e dinheiro “domando a juba”. Tudo para parecer mais profissional, seja lá o que isso quer dizer.
Por que falar de cabelos, quando o assunto é relembrar a abolição da escravatura? Porque nossos cabelos e cor da pele são a herança mais perceptível de nossos ancestrais africanos. Uma herança da qual devemos nos orgulhar, afinal um pouco mais de melanina na pele nos traz uma série de benefícios, entre eles, o de suportar melhor o sol de nosso país tropical.
O Brasil detém uma das marcas mais vergonhosas de nossa história: foi o último país independente a abolir a escravidão. Por que isso? Porque os grandes senhores de escravos detinham o poder e não queriam abrir mão de quem fazia todo o serviço sem nenhuma espécie de remuneração. Os escravos eram torturados, obrigados a terem filhos, um atrás do outro para engrossar o plantel. A alimentação era feita de sobras e a tortura e os castigos eram frequentes. Reis e rainhas de suas tribos foram arrancados e tornaram-se aqui menos que animais de cargas. Alguns ressaltam que existia bons senhores de escravos, que lhes permitiam morar na casa grande, aprender a ler e a escrever... Mas, o que é o homem sem liberdade?
Perante Deus e perante a Constituição somos todos iguais, temos os mesmos direitos. A raça negra, da qual orgulhosamente faço parte (apesar de afirmarem que sou parda, que espécie de cor é esta afinal?) – deve erguer sua cabeça, orgulhosa de suas origens. As terras africanas mesmo longínquas fazem parte de nossa herança, pois a Mesopotâmia é o berço da civilização humana, bem ali, entre os rios Tigre e Eufrates.
Desde 13 de maio de 1888 os escravos estão livres, mas esta liberdade ainda é relativa para alguns. A princesa Isabel quando assinou a Lei Aurea planejou uma reforma estrutural, incluindo doação de terras e mais educação, no entanto, a família real partiu e o problema ficou por aqui. Há negros poderosos e de sucesso na economia brasileira, mas ainda são em menor número. Há inúmeros negros bem sucedidos nos mestrados e doutorados da vida, mas ainda são minoria. Há negros, excelentes, em todas as áreas das artes, mas ainda são minoria, claro que a excelência fala alto, mas o número pode crescer.
O que importa é não deixar a data passar despercebida, pois podemos aprender com os erros e não repeti-los. Velhos fantasmas têm assombrado a velha Europa. A crise financeira e todas as suas terríveis consequências - desemprego, fome, aumento da criminalidade e mortes, trazem de volta fanatismo religioso, simpatia pelo nazismo, reações antissemitas, entre outras. No Brasil, relembramos o 13 de maio, e é preciso manter o que a data significa em mente para não repetirmos o erro de escravizar uma raça, pois a raça é humana e fazemos parte dela.
Priscila R. Aguiar Laranjeira